Moedas - Limpar ou não limpar?

No que refere a limpeza de moedas, a primeira etapa, a mais importante de todas, é a observação meticulosa da moeda. É importante perceber se a moeda apresenta realmente sujidade ou se apenas apresenta a típica pátina (ver definição: aqui) que se forma com o decorrer dos tempos.

A segunda etapa, também esta muito importante, é decidir se quer guardar a moeda em colecção própria ou se pretende comercializá-la. Se tem intenção de valorizar a moeda ou apenas lhe interessa expô-la aos olhos de curiosos.
A decisão final, limpar ou não limpar, será sempre difícil e controversa. Alguns coleccionadores preferem devolver às suas moedas algum do seu brilho natural de forma a evidenciar todos os seus detalhes e beleza. Outros afirmam que limpar a moeda é cometer um crime pois irá eliminar a pátina. Camada esta que se acumulou e que decorre da acção do tempo e de factores orgânicos, como por exemplo a exposição em diferentes solos, e manuseamento da mesma ao longo dos tempos. 

A pátina revela o tempo e o local onde permaneceu até ser descoberta. Quanto mais antiga for a moeda, mais relevante se torna a existência da patina que poderá, inclusive, servir para provar a autenticidade da mesma. Para alguns coleccionadores, a existência da pátina influencia directamente a valorização do espécime.

Pátina não pode ser confundida com sujidade. Por vezes, esta última, tratando-se de crostas ou gorduras acumuladas, pode e deve ser removida. Note no entanto que, depois de limpa, a moeda deverá manter o seu aspecto natural. Não use artigos para polimento, estes apenas resultarão em brilhos artificiais não valorizáveis.

A limpeza da moeda é aconselhada se a sujidade acumulada contiver agentes corrosivos que estejam a afectar a moeda ou se essa sujidade impedir a identificação da moeda ou a leitura dos seus elementos principais.

Tendo em consideração o supra exposto, acaso necessite de limpar algumas moedas poderá fazê-lo. Todavia, fica desde já uma regra de ouro - Nunca usar polidores de metal, abrasivos ou vernizes ácidos e / ou com oxidantes. Utilize produtos específicos desenvolvidos por marcas especializadas como a LINDNER, a LEUCHTTURM ou MARPAL. Tenha sempre em atenção o tipo de metal e siga as respectivas indicações. Comece sempre por experimentar em moedas repetidas e de baixo valor. Também algumas receitas caseiras que são frequentemente utilizadas. 
  •  Banho-maria (1 parte de amoníaco / 2 partes de água). Depois do banho-maria enxaguar em água corrente e secar bem a moeda. Usar preferencialmente um secador para não riscar; 
  • Pasta de dentes – Pode ser utilizada para eliminar gorduras ou manchas de verdete. Colocar a pasta na moeda e esfregar ao de leve com o dedo. Após isto lavar com água corrente e secar com secador; 
  • Podem ser utilizados os métodos aconselhados para moedas de prata; 
  • Gasóleo em banho-maria com posterior utilização da pasta de dentes; 
  •  Ferver em azeite e óleo com posterior lavagem; 
  • Mergulhar em sumo de limão; 
  • Mergulhar em vinagre.
Repito o que acima referi, independentemente do método escolhido, inicie a experiência em moedas repetidas e de baixo valor.

SOFTWARE DE CATALOGAÇÃO DE MOEDAS

Catalogar todas as moedas da sua colecção pode tornar-se extremamente trabalhoso principalmente quando esta começa a crescer. No entanto, existem já diversos softwares de numismática que facilitam esta tarefa. Abaixo deixo alguns links onde poderá recolher informação mais detalhada ou até fazer o download dos respectivos programas (freeware). Clique nas imagens para prosseguir:

dbcoins





Find Coins Viewer








 Numis – Arquivo numismático








 So Many Euros




Termos e Definições - 3


CAMPO - Todo o espaço central da moeda.
ORLA - Espaço da moeda que contorna os motivos centrais da moeda. Geralmente apresenta inscrições tais como: origem, nomes, país, reinado e outros.
BORDO - Superfície lateral da moeda que determina a sua espessura. Pode ser serrilhada, lisa, adornada ou até apresentar legendas.
MÓDULO - É o equivalente ao diâmetro da moeda. É uma informação a considerar no momento de adquirir alvéolos para protecção das moedas.
REBORDO - É o limite lateral de ambas as faces da moeda. Tem um relevo ligeiramente mais elevado que as figuras e legendas para evitar o rápido desgaste das mesmas.
EXERGO -  Espaço da moeda ou da medalha onde aparece gravada a sua data.


Termos e Definições - 2


ANVERSO E REVERSO
Identificar o anverso (“cara”) e o reverso (“coroa”) de uma moeda pode, por vezes, não ser tarefa fácil.Por definição o ANVERSO é a face principal de uma moeda, o lado em que se encontra a efígie do soberano ou as indicações de maior importância. O REVERSO é a face oposta ao Anverso, portanto, apresenta dados de importância secundária.

Podem considerar-se dados de maior relevância: o escudo nacional, as armas nacionais, nome do(a) soberano(a), nome do reino ou república, em nome de quem foi cunhada.Nos catálogos de numismática a figura da esquerda representa o anverso e a da direita o reverso.

No caso das moedas comemorativas tenha em atenção que a face mais trabalhada e mais vistosa da moeda por regra não apresenta os elementos principais, pelo que, pode não representar o anverso. Se mesmo com esta explicação ainda tiver dúvidas, não desanime, até os especialistas as têm.

ANVERSO












REVERSO


História da Moeda Portuguesa


Nascimento, Vida e Morte da Moeda Portuguesa (de 1129? A 1999)


Texto da autoria do Dr. Adriano Vasco Rodrigues 

Portugal conta-se entre os países que produziram uma das mais vasta, ricas e variadas numárias do mundo. Esta posição deve-se, por um lado, à sua História quase milenária e, por outro, a ser percursor da Expansão Marítima Europeia, senhor de um extenso domínio colonial até à data recente.

As moedas destinadas às trocas mercantis e aos pagamentos de serviços, multiplicaram-.se por todo este vasto Império, variando conforme as épocas, os lugares, as mensagens a transmitir, ou as influências recebidas.

Desde o último quartel do século passado, progrediu em Portugal a investigação numismática, iniciada por Teixeira de Aragão com a Descrição Geral e História das Moedas Cunhadas em Nome dos Reis, Regentes e Governadores de Portugal, (1874-80), que, durante dezenas de aos, foi uma obra basilar. Em 1923, o Dr. José Leite de Vasconcelos escreveu Da Numismática Portuguesa, obra à qual, a partir de fiais de décadas de 1940 se iriam juntar as de outros investigadores como Damião Peres, Pedro Batalha Reis, Ferraro Vaz, Costa Couvreur e, mais recentemente, Maria José Pimenta Ferro e Alberto Gomes. Também o nascimento no Porto, da sociedade Portuguesa de Numismática, e a publicação do seu órgão de comunicação, Nummus, foram um forte impulso no progresso desta ciência em Portugal.

Como distinguir as notas verdadeiras das falsas

Este artigo nada tem de numismática. Todavia, dada a relevância do tema, aqui o deixo.
As notas de euros incluem vários elementos de segurança que permitem verificar se uma nota é verdadeira ou falsa. Assim, com um mínimo de atenção e cuidado, pode facilmente reconhecer as notas verdadeiras. As notas de euros são impressas em papel de algodão puro, o que lhes confere um toque único. Para que seja possível identificar uma nota pelo tacto, algumas partes do desenho da frente das notas são impressas em relevo. Pode verificar outros elementos de segurança observando a nota contra a luz ou inclinando-a. Como medida de segurança adicional, dois dos elementos de segurança que figuram nas notas de €50, €100, €200 e €500 são diferentes dos das notas de menor valor.


Clique na imagem para aumentar

O que é a Numismática

Numismática (do grego clássico νόμισμα - nomisma, através do latim numisma, moeda) é a ciência que tem por objectivo o estudo das moedas e das medalhas.

Por numismática entende-se o estudo essencialmente científico das moedas e medalhas, porém, na actualidade, o termo “numismática” vem sendo utilizado como sinónimo de coleccionismo de moedas, incluindo também o estudo dos objectos "monetiformes", ou seja, assemelhados às moedas. Por exemplo:
· Medalhas: têm função essencialmente comemorativa;
· Jetons: geralmente emitidos por corporações para identificar seus membros;
· Moedas particulares: destinadas a circular em círculos restritos, como uma fazenda ou localidade;
· Pesos monetários: serviam para conferir os pesos das moedas em circulação.

Termos e Definições - 1

Eixo de uma moeda - Imaginando um eixo horizontal e rodando a moeda sobre este eixo vemos os dois lados da moeda direitos, isto quer dizer que a moeda tem eixo horizontal. Analogamente ao eixo horizontal, vê-se se uma moeda tem o eixo vertical quando rodamos a moeda sobre um eixo vertical imaginário e vemos os dois lados direitos. A maior parte das moedas tem eixo horizontal mas existem exemplares raros com eixo vertical ou eixo deslocado, tendo uma maior valorização no mercado.

Bordo - Superfície lateral da moeda e que determina a sua espessura. O Bordo das moedas pode ser serrilhado, liso, com legenda ou gravuras, etc.

Pátina - Oxidação superficial e natural que as moedas adquirem ao longo de muitos anos. Essa Pátina pode ter diversas tonalidades (verde, cinzento, vermelho ou castanho) consoante o metal da moeda, o local e o tempo onde esteve guardada. Alguns coleccionadores entendem que não se deve tentar retirar esta película de oxidação pois ela actua como uma capa protectora da camada inferior e além disso valoriza a moeda e testa a sua autenticidade. Outros preferem limpar as moedas e vê-las brilhar na sua colecção. Para mais detalhes sobre limpeza de moedas clique aqui.

Identificação de Moedas do Mundo

Se tem em sua posse uma moeda cuja origem desconhece completamente, se nem sequer consegue decifrar os símbolos (letras ou números) nela inscritos por desconhecer por completo o idioma utilizado, visite o endereço que abaixo destaco e tudo se tornará mais fácil.
Este site permite:
- identificar a origem de moedas baseando-se apenas nas imagens cunhadas na mesma;
- converter datas do calendário hebraico;
- converter datas do calendário Islâmico;
- converter números em diversos idiomas.

Aqui fica o Link: World Coin Catalog

Poderá também seguir este link: World Coin Gallery

Critérios de valorização de moedas

Ao contrário do que normalmente se julga, o aspecto essencial para a valorização de uma moeda, não é a sua antiguidade. A moeda será tão mais valorizada quanto melhor for o seu estado de conservação e menor for o número de exemplares cunhados nessa data.

Duas moedas com a mesma data e de igual valor facial, terão valores de comercialização completamente diferentes em função do seu estado de conservação. A moeda no estado BELA atinge um valor enormemente superior à moeda no estado BEM CONSERVADA.

Duas moedas do mesmo valor facial e no mesmo estado de conservação, mas de datas diferentes, terão valores de comercialização em função do número de exemplares cunhados em cada um dos anos.

Todavia, não esqueça nunca que “o preço correcto para qualquer moeda deve ser aquele que um comprador esclarecido pague a um vendedor esclarecido , quando nenhum dos dois está sob compulsão. “